Nem sempre é uma bala que mata as pessoas

Mónica Costeira, pediatra no hospital apoiado pela MSF em Al-Qanawis, no Iémen, conta a história do nascimento de uma bebé a quem deseja ser esperança num país onde o impacto da guerra é sentido todos os dias.

Al-Qanawis, Iémen

 

Sentada no topo da casa da Médicos Sem Fronteiras na cidade de Al-Qanawis, no governorado de Hodeidah, Noroeste do Iémen, olho para estrelas. Todos olhamos para o mesmo céu, creio, mas a vida é tão diferente dependendo da perspetiva de cada pessoa. Estou num país lindíssimo com uma história muito rica. Agora, está a ser destruído pela guerra.

Pode pensar-se que os ferimentos na guerra são sempre traumatismos: as pessoas são vítimas de bombas, tiros ou artilharia. O que muitas pessoas não percebem é que a guerra traz também um infindável sofrimento invisível, além dos danos físicos. E Al-Qanawis e a região circundante são um exemplo disso.

Todas as semanas, admitimos dezenas de bebés recém-nascidos no hospital para mães e crianças que é apoiado pela MSF em Al-Qanawis. A lutarem pela vida, estas crianças são vítimas daquilo que a guerra fez ao país. O governorado de Hodeidah tem sido uma das zonas de mais ativo conflito no Iémen ao longo dos seis anos desde que a guerra eclodiu, porém muitos dos nossos pacientes chegam de povoações remotas localizadas em áreas desérticas e não das linhas da frente. Normalmente não ouvem o barulho dos tiros, nem dos raides aéreos, nem dos disparos de artilharia, mas mesmo assim sentem que estão a viver a guerra todos os dias.

Ao conversar com os nossos pacientes, percebo que têm falta de acesso a cuidados de saúde, a alimentos, a água, a abrigos seguros e a educação. Muitas pessoas morrem devido a doenças que são perfeitamente tratadas e preveníveis, se tivessem acesso a um hospital com as equipas e a medicação necessária. Consequentemente, as pessoas mais gravemente afetadas são as mais vulneráveis: crianças, grávidas, idosos e pessoas com doenças crónicas.

A primeira coisa que uma guerra faz a um país é sobrecarregar o sistema de saúde. E um país como o Iémen, com uma infraestrutura de saúde que já era débil, cedeu sob esta pressão extra.

Esperança por quem se ama

Onde quer que as pessoas vivam, tentam sempre alcançar a melhor vida possível para as suas famílias. Não desistem. No Iémen, também, encontramos pais e mães a venderem tudo o que possuem pela oportunidade de mandar alguns dos filhos para outros países, na esperança de que consigam ter uma vida normal, aceder a cuidados de saúde, estudar e encontrar trabalho.

No Iémen, algo tão simples como ir a um hospital quando se adoece pode ser uma odisseia. Conheci tantos pais e mães que enfrentam desafios enormes apenas para conseguirem levar um filho doente ao hospital – como a mãe e o pai de Latifa, a qual teve de ser uma lutadora logo desde o primeiro dia de vida.

A mãe e a família de Latifa vivem numa pequena povoação isolada, sem acesso a cuidados de saúde. Quando a guerra começou, muitos dos centros de saúde na zona onde habitam colapsaram, alguns destruídos, outros abandonados pelos profissionais médicos ou simplesmente fechados por não terem medicamentos e equipamentos. Quando engravidou, a mãe de Latifa, Fatima, não tinha estruturas de saúde próximas. Fatima adoeceu, mas não tinha tempo nem o dinheiro necessário para arranjar transporte para obter cuidados de saúde. As contrações começaram um dia repentinamente, quando era ainda muito cedo para o parto. Fatima ficou receosa pelo bebé. Quis ir a uma estrutura de saúde porque sabia que era demasiado cedo e o bebé ficaria em risco. Mas já não havia tempo e teve o parto em casa. O bebé nasceu muito pequeno e com dificuldades respiratórias.

Estavam longe de um hospital e o bebé não sobreviveu. Fatima estava ainda a sofrer com esta perda quando se apercebeu que o parto não tinha terminado! Estava grávida de gémeos, mas não o sabia uma vez que não fizera nenhumas consultas pré-natais.

Fatima reuniu toda a energia que conseguiu e os recursos precisos para chegar à estrutura de saúde mais próxima e gratuita que providenciasse cuidados maternos e pediátricos, o hospital da MSF em Al-Qanawis, localizado a várias horas de distância da sua casa. Felizmente, Fatima chegou ao nosso hospital a tempo, onde teve o parto do segundo bebé, Latifa.

A bebé foi admitida por um período de dois meses, tendo baixo peso ao nascimento. Prontamente se tornou numa fonte de amor e afeto para toda a equipa. Quando finalmente chegou o dia para receber alta do hospital, senti um enorme orgulho nela e no nosso trabalho, na dedicação e no amor da equipa. Espero que ela traga esperança à sua família, à sua comunidade e ao seu país assolado pela guerra. Espero que Latifa torne mais doce a vida de todas as pessoas que a conhecerem, tal como fez connosco.

Falta de cuidados essenciais de saúde pode ser fatal

As complicações resultantes de partos prematuros são a principal causa de morte de recém-nascidos nesta região do Iémen. Há múltiplos e vários fatores de risco inerentes ao baixo peso no nascimento e aos nascimentos prematuros, muitos dos quais é possível prevenir ou gerir com bons cuidados pré-natais. Os fatores de risco incluem a idade da grávida ser inferior a 17 anos ou superior a 35 anos, intervalos curtos entre gravidezes, desnutrição materna, gravidezes múltiplas, anomalias do feto e problemas de saúde materna como malária, pré-eclampsia e eclampsia, infeções, entre outros.

Em Al-Qanawis, muitas mães apresentam estes fatores de risco. Contudo, garantir cuidados neonatais essenciais pode reduzir a mortalidade de forma significativa e melhorar os resultados nestes casos.

Ali, no topo da casa da MSF naquela noite, senti-me satisfeita por fazer parte de uma equipa que contribui para salvar vidas, mas também senti preocupação pelas pessoas que não conseguem chegar ao nosso hospital. Há mães a gritar de dor e recém-nascidos a respirarem o último fölego, apenas porque não têm como aceder a cuidados médicos simples e essenciais. Testemunhar esta realidade e aperceber-me da forma como a guerra tem impacto em tantas pessoas vulneráveis faz-me desejar que houvesse maior perceção e consciencialização global sobre o que se passa no Iémen. Desejo que os nossos recursos e as nossas grandes capacidades humanas fossem usados para salvar vidas, em vez de as tirar.

 

Partilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on print

Relacionados

Como ajudar